A friagem na Amazônia: Como eventos de friagem influenciam a química atmosférica

Embora esteja localizada nos trópicos, a Amazônia esporadicamente sofre incursões de ondas de frio vindas das altas latitudes do hemisfério sul. Essas incursões são chamadas de eventos de friagem. Tais eventos impactam de forma significativa os padrões climáticos durante o tempo em que ocorrem, causando, por exemplo, uma queda de temperatura e um aumento da nebulosidade. Portanto, parece provável que esses eventos também possam impactar a química da atmosfera e suas concentrações de gases traço.

Eventos de friagem e o clima

Para determinar se esse é de fato o caso, Guilherme Camarinha-Neto e seus colegas estudaram um evento de friagem no ATTO. Eles também coletaram dados nos aeroportos de Porto Velho, no sudoeste da bacia amazônica, e em Manaus para comparação. O evento ocorreu em julho de 2014. Os eventos de friagem são em geral mais comuns na estação das secas, de julho a setembro, e 2-3 eventos durante o ano não são raridade.

Em primeiro lugar, os pesquisadores encontraram o mesmo padrão climático para essa friagem: a temperatura caiu de maneira significativa em relação aos valores médios de julho em todas as localidades. No entanto, o resfriamento foi um pouco mais pronunciado em Porto Velho. Quando o evento chegou em Manaus e no ATTO alguns dias depois, a temperatura caiu 4°C, em vez dos 7°C registrados na beira da bacia amazônica. Eles também notaram que a direção predominante do vento muda da rota comum e deixa de ser do leste para o sudeste, e passa a ser do oeste para o sudoeste. Por fim, a equipe também observou que a interação entre a massa de ar de friagem e os ventos alísios causou forte convecção. Isso resultou na formação de nuvens e em um recorde de chuva para o mês de julho, que costuma ser bastante seco.

Os eventos da Friagem trazem muitas nuvens e muita chuva com eles. © Steffen Schmidt / MPI-BGC
Os eventos da Friagem trazem muitas nuvens e muita chuva com eles. © Steffen Schmidt / MPI-BGC

Eventos de friagem e química atmosférica

Além dos parâmetros meteorológicos, a equipe também analisou a química da atmosfera em todo o evento. Especificamente, analisaram o ozônio e o CO2. Antes que a friagem chegasse ao ATTO, os pesquisadores mediam valores próximos às médias mensais. No entanto, durante o período de friagem, os valores de ozônio diminuíram e os valores de CO2 aumentaram.

O provável motivo é a nebulosidade associada ao evento. As plantas da floresta, que requerem luz solar para a fotossíntese, foram menos eficazes nesse dia nublado e chuvoso. Portanto, poderiam absorver menos CO2, que então se acumulou na atmosfera. Nuvens e variações na radiação também afetam o ciclo diário do ozônio.

É provável que isso tenha sido amplificado por uma forte estratificação vertical da coluna de ar. Ao combinar observações com simulações de computador, o cientista concluiu que a friagem afetava apenas os 500 metros inferiores da atmosfera. Isso pode ser interpretado como uma fina língua de ar frio acima da floresta, que impede a mistura vertical com o ar acima.

Figure altered from Camarinha-Neto et al. (2021). It shows the radiation (top), ozone concentration (middle) and CO2 concentration (bottom) in the days leading up to and during the Friagem event.
Figure altered from Camarinha-Neto et al. (2021). It shows the radiation (top), ozone concentration (middle) and CO2 concentration (bottom) in the days leading up to and during the Friagem event.

Similar articles

Tubo de entrada de ar na parte superior da torre alta da ATTO. © Eva Pfannerstill / MPI-C

Os compostos orgânicos voláteis biogênicos removem o OH da atmosfera por meio de reações químicas, que afetam processos como a formação de nuvens. Em um novo estudo, Pfannerstill et al. revelam as contribuições importantes de espécies de COVBs anteriormente não consideradas e COVs subestimados para a reatividade total de OH.

The majority of global precipitation is formed through the pathway of ice nucleation, but we’re facing large knowledge gaps that include the distribution, seasonal variations and sources of ice-nucleating particles. To fill some of those knowledge gaps, Jann Schrod and his co-authors produced a record of long-term measurements of INPs. They collected data for nearly two years at four different locations. One of those sites was ATTO.

A sombra e a luz de um sol baixo realçam a topografia suave sob a floresta amazônica, que afeta a turbulência atmosférica. © Paulo Brando

Chamecki e seus co-autores analisaram se a suave topografia sob a floresta tropical amazônica afeta a turbulência atmosférica. Eles publicaram seus resultados em Open Access no Journal of the Atmospheric Science.

The footprint region of ATTO shifts from pristine northeast to more human influenced southeast

Christopher Pöhlker e coautores publicaram um extenso artigo novo caracterizando a região da pegada do ATTO. Eles esperam que pesquisadores da região amazônica possam usar essa publicação como recurso e trabalho de referência para incorporar as observações do ATTO a um contexto maior de desmatamento na Amazônia e de mudança no uso da terra. Pöhlker et al. publicaram o artigo Atmospheric Chemistry and Physics Volume 19.

Figure from Sá et al. (2019)

Hoje em dia fala-se muito sobre material particulado, principalmente no contexto da poluição do ar nas cidades. Mas e quanto ao material particulado na floresta amazônica? Bem, a resposta curta é que o material particulado também está presente no ar acima da Amazônia. E embora suas concentrações sejam menores que as das grandes cidades, os incêndios de desmatamento e urbanização têm um impacto significativo. Descobrir qual é exatamente esse impacto foi o objetivo de um novo estudo de Suzane de Sá e coautores.

Felipe Souza e coautores agora coletaram bioaerossóis no local onde se situa o ATTO. Depois, extraíram e analisaram o DNA para determinar as comunidades presentes. Este foi o primeiro estudo que descreveu a comunidade de microrganismos em aerossóis na Amazônia. Eles encontraram muitos tipos diferentes de bactérias e fungos. Alguns eram distribuição cosmopolita, mas também identificaram muitos que são particulares a determinados ambientes, como o solo ou a água. Isso sugere que a atmosfera pode atuar como um importante portal de troca de bactérias entre plantas, solo e água.

A floresta tropical amazônica interage com a atmosfera através da troca de muitas substâncias. Muitas delas, tais como dióxido de carbono, metano, ozônio e compostos orgânicos, são produzidas pela vegetação. Eles são muito influentes tanto no clima regional quanto no global. Até agora, as estimativas de suas taxas de emissão e absorção são baseadas em teorias clássicas. Mas estas foram desenvolvidas sobre vegetação relativamente curta e são válidas para a chamada "subcamada inercial".

Pfannerstill et al. compararam as emissões de COV na ATTO entre um ano normal e um caracterizado por um El Nino forte com secas severas na Amazônia. Não encontraram grandes diferenças, exceto na hora do dia em que as plantas liberam os COVs. Eles publicaram seus resultados na revista Frontiers in Forest and Global Change.

Wu et al. coletaram e analisaram aerossóis em dois locais: a cidade de Manaus, uma grande área urbana no Brasil, e o local da ATTO no coração da floresta. As composições dos aerossóis variavam muito. Na ATTO a maioria dos aerossóis era emitida pela própria floresta, enquanto em Manaus, os aerossóis antropogênicos eram muito comuns. Os resultados foram publicados na ACP.

Aquino et al. publicaram um novo estudo em Meteorologia Agrícola e Florestal sobre as características da turbulência dentro do dossel da floresta em dois sítios amazônicos. Eles descobriram que a camada de ar próxima ao solo é largamente dissociada da camada de ar no dossel superior e acima.