Nova Publicação: Região da pegada do ATTO

Christopher Pöhlker e coautores publicaram um extenso artigo novo caracterizando a região da pegada do ATTO. Eles esperam que pesquisadores da região amazônica possam usar essa publicação como recurso e trabalho de referência para incorporar as observações do ATTO a um contexto maior de desmatamento na Amazônia e de mudança no uso da terra. Pöhlker et al. publicaram o artigo Atmospheric Chemistry and Physics Volume 19.

Na pesquisa, os autores usaram backward trajectories para primeiro definir a região da pegada do ATTO. Com essa abordagem de modelagem, é possível rastrear massas de ar na atmosfera ao longo do caminho do transporte presumido para o ATTO. Como as regiões de origem dos vestígios de gases e aerossóis observados podem estar a milhares de quilômetros de distância, não foram necessariamente rastreadas desde o início. Em vez disso, os autores definiram a região do continente sul-americano sobre a qual a atmosfera interage mais intensamente com a superfície terrestre abaixo. Tais interações podem ser a troca de gases, captar o vapor de água ou liberá-los através da precipitação, ou alterar o conteúdo do aerossol (por exemplo, limpar os aerossóis com chuva ou absorver novos aerossóis que estão dispersos na atmosfera).

A direção e a velocidade do vento moldam principalmente a localização e o tamanho da região da pegada. No ATTO, isso depende em grande parte da mudança sazonal da zona de convergência intertropical (ZCIT). Os autores encontraram um caminho para a direção nordeste durante a estação de chuvas, com o ar movendo-se amplamente sobre a floresta tropical intocada. Durante a estação das secas, o ar segue um caminho mais para a direção sudeste sob a influência de áreas agrícolas. Em segundo lugar, os autores caracterizaram ainda mais essa área da pegada do ATTO. Eles analisaram a questão em termos de clima, cobertura e uso da terra, regimes de fogo e cenários atuais e futuros de desmatamento. Eles enfatizaram as transformações causadas pelo homem na Amazônia e como isso influenciará os dados observados no ATTO. Embora ainda seja possível estudar partes intocadas da floresta tropical hoje, os autores concluem que esse fato provavelmente diminuirá no futuro. Em contraste, os sinais atmosféricos de perturbações florestais provocadas pelo homem e relacionadas às mudanças climáticas aumentam em frequência e intensidade.