Crescimento de árvores em florestas de várzea amazônica

O crescimento das árvores Nectandra amazonum (Lauraceae) nas várzeas da Amazônia Central não responde às inundações anuais de longo prazo, e sim à variação da temperatura mínima e à evapotranspiração.

Florestas de várzea amazônica

O ciclo hidrológico da floresta amazônica está mudando. Os três principais fatores que contribuem para isso são as mudanças no uso da terra e o desmatamento, a implementação de usinas hidrelétricas e as mudanças climáticas. Juntos, esses fatores causam secas mais severas e frequentes em algumas regiões e inundações em outras. Não é surpresa que as árvores sejam afetadas por essas mudanças, e as florestas de várzea em especial podem estar vulneráveis.

Mas, até o momento, os cientistas sabem muito pouco sobre como os efeitos concretos das mudanças climáticas e hidrológicas impactam o crescimento das árvores. Para preencher essa lacuna, a aluna de mestrado Janaína Quixabeira Gonçalves e sua equipe estudaram as espécies arbóreas Nectandra amazonum perenes e adaptadas às inundações. É a espécie de árvore dominante na chamada “várzea”. A várzea é um tipo de floresta amazônica que cresce em solos ricos em nutrientes ao longo dos rios de águas claras. (A outra é a floresta Igapó, que cresce em solos pobres em nutrientes ao longo dos rios de águas negras, como o Uatuma, próximo ao ATTO.)

Um ambiente de várzea com árvores inundadas ao longo de um rio de águas brancas. © Flavia Durgante / KIT
Um ambiente de várzea com árvores inundadas ao longo de um rio de águas brancas. © Flavia Durgante / KIT

Variabilidade do crescimento da árvore

Os cientistas, então, amostraram árvores em uma dessas várzea no Lago do Catalão, perto da cidade de Manaus. Eles usaram uma mescla de métodos diferentes, incluindo dendrocronologia de anéis de árvores para determinar o crescimento das mesmas. Em correlação com o clima local e dados hidrológicos, os pesquisadores analisaram como o crescimento das árvores mudou no período de 2001 a 2017. A surpresa veio quando não encontraram nenhuma correlação entre o crescimento e o regime hidrológico, embora estudos anteriores tenham apontado tal relação. Isso indica que a Nectandra amazonum pode ser mais resiliente às perturbações do ciclo hidrológico do que outras espécies.

No entanto, a equipe encontrou variações no crescimento da árvore e na densidade da madeira dos anéis, e os resultados sugerem que a temperatura e a evapotranspiração desempenham um papel importante. Especificamente, as árvores crescem de forma mais lenta durante os períodos em que as temperaturas noturnas, em geral as temperaturas mínimas do dia, são mais altas. Essa relação é ainda mais evidente durante os meses em que a floresta está inundada. Durante esse período, as temperaturas noturnas nas várzeas são mais altas porque a água atua como um absorvente para a temperatura. Já durante as noites mais quentes, a respiração do tronco aumenta e, como resultado, o crescimento é reduzido.

Uma das árvores Nectandra que os cientistas analisaram anéis de árvores. © Flavia Durgante / KIT
Uma das árvores Nectandra que os cientistas analisaram anéis de árvores. © Flavia Durgante / KIT

Em conclusão, enquanto a Nectandra amazonum parece ser mais resiliente do que outras espécies às mudanças no ciclo hidrológico, ela também pode ser vulnerável às mudanças climáticas, em especial ao aumento das temperaturas mínimas.

Gonçalves et al. publicaram o estudo “Minimum temperature and evapotranspiration in Central Amazonian floodplains limit tree growth of Nectandra amazonum (Lauraceae)” na revista Trees.

Similar articles

Recentemente mencionamos que as árvores afogadas ao longo do rio Uatumã eram provavelmente a causa do aumento das emissões de metano medidas na ATTO. Agora Angélica Resende e seus co-autores investigaram como as mudanças nos regimes de inundação afetam a mortalidade das árvores nas planícies aluviais. Eles compararam dois locais na bacia amazônica. Ao longo do rio Jaú, o ambiente das planícies aluviais ainda está em grande parte intocado. Ao longo do Uatumã, próximo à ATTO, por outro lado, o regime de inundação foi alterado pela implementação da usina hidrelétrica de Balbina mais a montante.

new leaves are often bright green

Florestas tropicais como a Amazônia não têm estações tão acentuadas e são sempre verdes. No entanto, as folhas mesmo assim caem e novas nascem regularmente cerca de uma vez por ano. Ainda não compreendemos completamente o que impulsiona a sazonalidade do fluxo de folhas. Mas agora sabemos que é um processo de extrema importância, pois influencia a capacidade fotossintética da floresta. Em suma, as folhas novas são mais eficazes que as velhas na realização da fotossíntese e no sequestro de carbono. Isso significa que árvores com muitas folhas velhas são menos produtivas que depois que germinam folhas novas.