Nova Publicação: Composição de aerossóis e dinâmica de nuvens

As propriedades e a dinâmica das nuvens são extremamente dependentes dos tipos e das quantidades de partículas de aerossol na atmosfera. Elas agem como os chamados núcleos de condensação quando iniciam a formação de gotículas de nuvens. Portanto, é essencial ter um entendimento profundo dos padrões de emissão, das propriedades e da variabilidade sazonal dos aerossóis em relação aos ciclos de vida das nuvens. Para atingir esse objetivo, nosso grupo de aerossóis conseguiu registrar esses dados no ATTO. Ao longo de um ano inteiro, mediram continuamente os aerossóis e suas propriedades na atmosfera na torre de 80 m. Assim, criaram o primeiro registro de longo prazo na Amazônia.

Os resultados do estudo foram publicados em duas partes; a primeira parte foi lançada em 2016 e se concentrava na parametrização das propriedades do aerossol. Isso proporciona à comunidade científica subsídios para modelos para prever com mais precisão o ciclo atmosférico e o clima futuro. Como as nuvens são um componente vital e altamente complexo do sistema climático, é importante que os modelos “as entendam” para fazer previsões confiáveis.

Nesta segunda parte do estudo, publicada recentemente, os autores se concentraram em definir os estados mais distintos da composição do aerossol e as condições associadas de formação de nuvens na região do ATTO. Eles distinguiram entre quatro regimes separados que se alternam ao longo do ano. Por exemplo, descobriram que a atmosfera é praticamente intocada durante certos episódios na estação de chuvas (de março a maio), sem influência detectável da poluição. No entanto, durante o resto do ano, aerossóis “estrangeiros” chegam ao local em quantidades diversas. Eles incluem partículas naturais de aerossóis, como poeira saariana, bem como poluentes como fumaça da queima de biomassa (incêndios florestais e muito mais frequentemente incêndios por desmatamento) na Amazônia ou mesmo na África.

As partes 1 e 2 desta pesquisa foram publicadas pela primeira autora Mira Pöhlker nas edições 16 e 18 da Atmospheric Chemistry and Physics (ACP). Elas estão disponíveis no Open Access e, portanto, disponíveis gratuitamente para todos.

Similar articles

The current query has no posts. Please make sure you have published items matching your query.

Nova Publicação: Emissões vulcânicas africanas chegam à Amazônia

Um dos objetivos do ATTO é estudar o transporte de longo alcance de partículas, como o sulfato, que atravessam o Atlântico e chegam até a floresta amazônica e também entender melhor o ciclo do carbono.

Uma boa oportunidade para isso surgiu em 2014. Alguns dos vulcões mais ativos em todo o mundo, os vulcões Nyamuragira e Monte Nyiragongo no Congo, na África Central, entraram em violenta erupção. Durante essa erupção, eles emitiram muito dióxido de enxofre (SO2) na atmosfera. Este gás é posteriormente convertido em partículas de sulfato por oxidação. Geralmente, essas partículas são diluídas na atmosfera à medida que se misturam com outras partículas. Assim, torna-se difícil distingui-los da sua fonte. No entanto, as emissões de 2014 foram tão fortes que as partículas de sulfato originadas do gás vulcânico foram observadas sobre a floresta amazônica por instrumentos em terra no nosso espaço do ATTO (especificamente no mastro triangular de 80 m de altura) e através medições de aeronaves (durante a Campanha ACRIDICON-CHUVA). Esta observação está sendo usada pelos cientistas do ATTO como um caso de estudo para entender como as emissões de gases e de partículas da África são transportadas pelo Oceano Atlântico e atingem a Bacia Amazônica.

Em escala, os vulcões no Congo estão a quase 10.000 km de distância do ATTO, e as partículas levaram cerca de duas semanas para percorrer essa distância!

O estudo completo foi publicado na edição 18 da Atmospheric Chemistry and Physics (ACP) do primeiro autor, Jorge Saturno. Está disponível no Open Access e, portanto, disponível gratuitamente para todos.

Similar articles

The current query has no posts. Please make sure you have published items matching your query.

Nova publicação sobre aerossóis na Amazônia

Cientistas do nosso grupo de aerossóis publicaram um novo “Long-term study on coarse mode aerosols in the Amazon rainforest with the frequent intrusion of Saharan dust plumes”.

Os cientistas analisaram a parte grossa de aerossóis (aqueles com pelo menos 1 micrômetro de diâmetro) a cada 5 minutos durante mais de 3 anos e ficaram surpresos ao descobrir que, ao longo desse período, o tamanho e a abundância dessas partículas “grandes” de aerossol permaneceram razoavelmente constantes. Por outro lado, os aerossóis menores são extremamente influenciados pela ocorrência sazonal de fumaça dos incêndios. Essa parte grossa, no entanto, é composta principalmente de aerossóis derivados da própria floresta tropical (como o pólen). Esse padrão só muda durante a estação de chuvas (dezembro a abril), quando poeira saariana, partículas de sal marinho do Atlântico e fumaça de incêndios na África esporadicamente seguem para a Amazônia. Especialmente em fevereiro e março, episódios de aerossóis africanos se tornam tão frequentes que são a norma e não a exceção. Nossos cientistas usaram esses dados para estimar a quantidade de poeira depositada na região do ATTO a cada ano: 5-10 kg por hectare ou 0,5-1 g por metro quadrado.

Você pode ler o estudo completo do autor principal Daniel Moran-Zuloaga na Atmospheric Chemistry and Physics Issue 18. Está publicado no Open Access e, portanto, disponível gratuitamente on-line. Os dados também estão disponíveis para maiores análises (consulte o artigo para obter detalhes)!

Similar articles

The current query has no posts. Please make sure you have published items matching your query.