FISH em bioaerossóis na floresta amazônica

A floresta tropical amazônica desempenha um papel importante na ciclagem hidrológica global. Aerossóis biogênicos, tais como pólen, fungos e esporos provavelmente influenciam a formação de nuvens e a precipitação. Entretanto, existem muitos tipos diferentes de bioaerossóis. As partículas variam consideravelmente em tamanho, morfologia, estado de mistura, bem como comportamento como higroscopicidade (quantas partículas atraem água) e atividade metabólica. Portanto, é provável que não apenas a quantidade de bioaerossóis afete o ciclo hidrológico, mas também os tipos de aerossóis presentes.

Parametrização de bioaerossóis e sua capacidade de nucleação de gelo

Os bioaerossóis podem atuar como núcleos de condensação de nuvens e núcleos de gelo, influenciando assim a formação de nuvens e precipitação. Mas até agora há menos conhecimento sobre a atividade de nucleação de gelo de cada grupo de bioaerossóis e modelos atmosféricos até agora não diferenciados entre eles. Patade et al. criaram uma nova parametrização empírica para cinco grupos de bioaerossóis, baseada na análise das características dos bioaerossóis na ATTO: esporos fúngicos, bactérias, pólen, detritos vegetais/animais/virais e algas. Isto torna possível para qualquer modelo de nuvem acessar o papel de um grupo individual de bioaerossóis na alteração das propriedades das nuvens e na formação de precipitação.

A busca pelos componentes que faltam para a reatividade total de OH

Os compostos orgânicos voláteis biogênicos removem o OH da atmosfera por meio de reações químicas, que afetam processos como a formação de nuvens. Em um novo estudo, Pfannerstill et al. revelam as contribuições importantes de espécies de COVBs anteriormente não consideradas e COVs subestimados para a reatividade total de OH.

Diversidade de bactérias na atmosfera amazônica

Felipe Souza, Price Mathai and their co-authors published a new study analyzing the diverse bacterial population in the Amazonian atmosphere. The composition varied mainly with seasonal changes in temperature, relative humidity, and precipitation. On the other hand, they did not detect significant differences between the ground and canopy levels. They also identified bacterial species that participate in the nitrogen cycle.

Publicação: Os cupins são uma fonte desconhecida de COVB?

Nora Zannoni e seus colegas mediram as emissões de BVOC na torre alta da ATTO em várias alturas. Especificamente, eles analisaram um BVOC em particular chamado α-pinene. Eles descobriram que os BOVs quirais na ATTO não são igualmente abundantes nem a proporção das duas formas é constante com o tempo, a estação ou a altura. Surpreendentemente, eles também descobriram que as térmitas podem ser uma fonte anteriormente desconhecida para os BVOCs.