Diversidade de bactérias na atmosfera amazônica

Felipe Souza, Price Mathai and their co-authors published a new study analyzing the diverse bacterial population in the Amazonian atmosphere. The composition varied mainly with seasonal changes in temperature, relative humidity, and precipitation. On the other hand, they did not detect significant differences between the ground and canopy levels. They also identified bacterial species that participate in the nitrogen cycle.

Medições de linha de base de gases traço inorgânicos na Amazônia

Ramsay et al. measured inorganic trace gases such as ammonia and nitric acid and aerosols in the dry season at ATTO. They are to serve as baseline values for their concentration and fluxes in the atmosphere and are a first step in deciphering exchange processes of inorganic trace gases between the Amazon rainforest and the atmosphere.

A queima de biomassa leva a uma diminuição da chuva

A fuligem e outros aerossóis da queima de biomassa podem influenciar o clima e a meteorologia regional e global. Lixia Liu e seus colegas estudaram como isso afeta a Bacia Amazônica durante a estação seca. Embora haja muitas interações diferentes entre os aerossóis da queima de biomassa e o clima, eles descobriram que em geral levam a menos e mais fracos eventos de chuva na floresta tropical amazônica.

Água e luz impulsionam a atividade fotossintética de musgos amazônicos

Um novo estudo de Löbs et al. em Biogeosciences documenta as condições microclimáticas para musgos tropicais como base para estudos sobre sua relevância geral na ciclagem biogeoquímica. Eles descobriram que a água e a luz são os requisitos mais importantes para que eles se tornem fotossinteticamente ativos. No entanto, seu habitat determina qual dos dois desempenha o papel mais importante.

Publicação: Os cupins são uma fonte desconhecida de COVB?

Nora Zannoni e seus colegas mediram as emissões de BVOC na torre alta da ATTO em várias alturas. Especificamente, eles analisaram um BVOC em particular chamado α-pinene. Eles descobriram que os BOVs quirais na ATTO não são igualmente abundantes nem a proporção das duas formas é constante com o tempo, a estação ou a altura. Surpreendentemente, eles também descobriram que as térmitas podem ser uma fonte anteriormente desconhecida para os BVOCs.